Ajude a propagar a boa informação. Compartilhe pelos botões abaixo.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Artigo Publicado no Jornal A Gazeta

O triste fim da Lava Jato

Para quem já leu o romance Triste Fim de Policarpo Quaresma do escritor Lima Barreto, irá encontrar na história da Operação Lava Jato alguns pontos de contato com esse magnifico romance. O primeiro, é o patriotismo que em ambas as histórias existe como contexto narrativo de fundo; O segundo, é o fim dos personagens centrais que morrem fuzilados sob a acusação de traição; o terceiro, é que todos os personagens centrais, de ambas as histórias, chegam a triste conclusão de que todas suas vidas, suas lutas e seus sonhos foram em vão. Existem outros pontos de tangência nessas histórias, mas sem tanta relevância como as temáticas citadas.

Como se sabe, a famosa Operação Lava Jato foi inspirada pelo patriotismo de um jovem juiz, Sergio Moro, e de um jovem Procurador da República, Deltan Dallagnol, que viram a oportunidade de libertar o país do execrável mal da corrupção sistêmica que empobrece e apodrece a Nação. Suas condutas eram insuspeitas e nada havia que pudesse revelar que no ideal dos dois servidores não havia nada além do que passar o Brasil a limpo. Suas ações mandaram para a cadeia, sob aplausos, a fina flor da política e do empresariado que saqueava os cofres públicos e determinava quem governava o país e as unidades federativas.

Sucede que o patriotismo do juiz e do procurador e seus respectivos times era uma farsa gritante e abominável, diferente do patriotismo de Policarpo Quaresma, personagem central do livro de Lima Barreto. Escorria pelos lábios dos personagens da vida real da lava jato uma vontade louca pelos sabores do poder e seus favores. Na primeira oportunidade que tiveram pularam do barco do patriotismo e da moralidade e foram viver seus verdadeiros sonhos. Um desfez-se de seu sonho e foi sentar numa cadeira de Ministro, e o outro flertou bonito com os bilhões recuperados de suas ações, tentando direcioná-los para uma organização de sua preferência. Como seu intento foi frustrado pediu para sair e alegou que é chegada a hora de cuidar da família.

A lava jato derreteu como derreteram outros sonhos dos brasileiros. O bom jornalismo mostrou que o juiz e o procurador eram, na verdade, comparsas numa empreitada de contornos nitidamente criminosos. A operação tinha um execrável propósito político e antipatriota. Suas intenções eram tirar seus adversários do poder para que pudessem assumi-los com suas agendas particulares. O que antes era uma suspeita se transformou em fatos concretos. As decisões judiciais estão sendo reformadas e cada dia surge um fato novo que comprova que os protagonistas da lava jato tinham muito pouco de patriotas como propagavam aos quatro cantos do país.

O juiz e o procurador foram fuzilados pela história. Um, o juiz, cambaleia como alma errante procurando um local para morrer e ser enterrado decentemente. Seu discurso emudeceu ante o comprovado antipatriotismo encartados nas suas decisões dadas ao arrepio da lei. Outro, o procurador, fuzilado gravemente, procurou o rumo de casa, e como garoto insolente, argumentou que irá cuidar da filha, como a apiedar-se de si mesmo pelos males praticados. Triste fim, suas vidas, suas lutas e seus sonhos, como a de Policarpo Quaresma, foram em vão.

Dr. Vicente Cruz

Dr. Vicente Cruz

Presidente do Conselho de Administração e Advogado Sênior do Instituto de Direito e Advocacia da Amazônia - IDAM
Master Coach
Mentor - Consultor

Atendimento Virtual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *